O seu browser está desatualizado!

Atualize o seu browser para ter uma melhor experiência e visualização deste site.

Atualize o seu browser agora

Bem-vindo à Jetcost

Para fins técnicos e de marketing (incluindo publicidade personalizada), utilizamos cookies e outras tecnologias de rastreamento semelhantes (nossas e de terceiros da UE e Extra UE) no nosso site. Se concordar com a sua utilização, incluindo a transferência de dados Extra UE de acordo com a nossa política de cookies , e deseja continuar, clique em "Aceitar todos e continuar no site".

Aceda a alterar a sua configuração para definir as suas preferências ou clique aqui para continuar sem cookies desnecessários.
Compare voos baratos e low cost
As datas selecionadas podem não apresentar resultados devido ao COVID-19. Sugerimos que altere as datas.
Selecionar partida
  • Últimas pesquisas
Selecionar chegada
  • Últimas pesquisas
{{ weekDay }}
{{ panel.label }}
Está à procura de um voo só de ida?
{{ fromDate | dateToDayNumber }}

{{ fromDate | dateToMonthName }}

{{ fromDate | dateToDayName }}

{{ flexibleFromDateLabel }}
{{ option.label }}
?
{{ flexibleToDateLabel }}
{{ option.label }}
Classe e passageiros
Classe
Econômica
Disponível apenas para classe econômica
Número de passageiros
Adultos
{{ adults }}
Crianças
{{ children }}
Bebês
{{ infants }}
  • Compare com:

Covid e aviões: os factos mais invulgares! 

A crise sanitária da Covid-19 foi inesperada e com ela ocorreram comportamentos inimagináveis. Seleccionámos para si algumas pepitas invulgares:
 

1. Aviões vazios


Março de 2020, o início da crise sanitária, confinamentos, restrições de viagem e encerramento das fronteiras. As companhias aéreas viram-se sem clientes. E ainda assim! Ainda podíamos ver aviões a voar! De facto, algumas companhias aéreas britânicas viram-se a voar aviões vazios sem passageiros, a fim de não perderem os seus direitos de aterragem e descolagem. Isto permite-lhes manter os seus slots de voo, que devem ser utilizados pelo menos 80%. Caso contrário, são redistribuídos a outras companhias que os solicitem.


 

2. Voos para lado nenhum

Um novo conceito surgiu durante a crise; voos para lado nenhum. Os turistas que precisavam de viajar estavam dispostos a comprar um bilhete de avião apenas para dar uma volta no ar. Este conceito nasceu das companhias aéreas asiáticas que ofereceram voos de algumas horas com o mesmo ponto de aterragem e descolagem. Estas companhias vendiam experiências de voo a turistas nostálgicos.
Uma aberração em termos de ecologia que fez a notícia. O impacto ambiental negativo destes voos é ainda mais injustificado.

3. Aterragem forçada


Momento de pânico durante o voo da United Airlines, que deveria ligar Eagle County, Colorado, a Newark na costa leste dos Estados Unidos em Março de 2020. Onda de pânico quando um dos passageiros começou a espirrar. Alguns passageiros começaram então a protestar e forçaram o avião a aterrar em emergência por medo de que o passageiro estivesse a transportar o Covid-19. Uma escala não programada em Denver que, após alguns testes, assegurou que o passageiro não tinha Covid, mas sim algumas alergias.

 

4. Voos isentos de impostos

 
Na Coreia do Sul, é possível fazer compras no ar! De facto, as lojas têm tido dificuldade em vender os seus stocks e estão prontas a fazer descontos. Assim, as companhias aéreas em pleno voo penetram em zonas internacionais e vendem produtos isentos de impostos. Trata-se então de um voo comercial com o mesmo ponto de descolagem e aterragem. As lojas estão dispostas a pagar a sua tarifa aérea a fim de beneficiarem de produtos com grandes descontos. A duração do voo é normalmente de 2 horas e parte-se com uma mala cheia!

Encontre-nos em